O PIB dos municípios brasileiros. E as discrepâncias regionais.

 

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou em 13 de dezembro de 2019 os dados da atividade econômica em cada um dos municípios brasileiros. As informações incluem o PIB (Produto Interno Bruto) dos mais de 5.500 municípios distribuídos nos 27 estados do território brasileiro, entre 2010 e 2017.

 

O PIB é o resultado da soma de todos os novos bens e serviços produzidos em um local em um período. Ele indica o quanto e como a economia de um lugar produziu no determinado período observado. Em sua metodologia, o IBGE contabiliza apenas os produtos finais, para evitar contagem dupla de valores.

 

Entre os dez maiores PIBs municipais do país em 2017, nove eram de capitais. A única exceção é o município de Osasco, que é parte da região metropolitana de São Paulo.

OS DEZ MAIORES

 

Esses dez municípios produziram 27% de todo o PIB do Brasil em 2017 – mais de um quarto do total do país. Só a cidade de São Paulo foi responsável por mais de 10% de todos os bens e serviços produzidos no país naquele ano, mesmo concentrando menos de 6% da população. Ao todo, a capital paulista teve um PIB equivalente à soma dos 4.300 municípios brasileiros com menor nível de atividade econômica e que, juntos, concentram quase um quarto da população brasileira.

 

Já os dez menores PIBs do Brasil em 2017 vieram de municípios pequenos, todos com população menor que três mil habitantes – o mais populoso entre eles é São Luis do Piauí (PI), onde a última estimativa era de 2.644 habitantes. Outro ponto comum entre esses municípios é que as principais atividades são públicas, entrando na categoria que o IBGE classifica como administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social.

 

OS DEZ MENORES

O PIB per capita
Os números absolutos de quanto cada município produziu em um determinado período podem ser enganosos. Isso porque o número do PIB, por si só, não considera o tamanho da população de um local.

 

É normal que um município como São Paulo, a cidade mais populosa do país, onde moram mais de 12 milhões de pessoas, produza bastante. Da mesma forma, é normal que uma cidade como Santo Antônio dos Milagres, no Piauí, que tinha apenas 2.161 habitantes na estimativa do IBGE de 2019, tenha um PIB consideravelmente menor.

 

Uma forma mais equilibrada de comparar municípios é observando o PIB per capita de um local. Assim, pode-se comparar o valor de bens e serviços produzidos em média por cada habitante do lugar.

 

MAIORES POR PESSOA

Entre os dez municípios com maior PIB per capita, apenas Paulínia-SP tem população estimada pelo IBGE acima de 100 mil habitantes. São locais, portanto, de pouca ou média população marcados por atividades econômicas mais rentáveis.

 

Quatro dessas cidades têm como principal atividade funções ligadas ao petróleo, da extração ao refino. São eles Paulínia-SP (refino), Triunfo-RS (petroquímica), Presidente Kennedy-ES (extração) e São Francisco do Conde-BA (refino). Outros dois locais estão ligados à produção de energia elétrica – Selvíria-MS e Vitória do Xingu-PA –, enquanto dois têm como destaque a indústria de transformação – Extrema-MG e Jaguariúna-SP. Por fim, a cidade de Louveira-SP se destaca pelo comércio atacadista e São Gonçalo do Rio Abaixo-MG é marcada por extração mineral.

 

Já entre os dez menores PIBs per capita do Brasil em 2017, oito estão localizados no estado do Maranhão. Nesses locais, a atividade econômica média por pessoa ficou abaixo de R$ 5.000 ao ano.

 

MENORES POR PESSOA

O PIB per capita traz apenas a média do produto nos locais, mas não dá informações sobre a distribuição dos recursos. É possível que um local tenha um PIB per capita alto, mas mal distribuído. Da mesma forma, um local pode ter um PIB por pessoa baixo, mas com melhor distribuição do que em outros locais.

 

Os 500 maiores e os 500 menores
Quando se olha para os 500 maiores PIBs per capita do Brasil em 2017, é possível ver que a região Sul é a que mais concentrou municípios com produção média alta. Em relação ao quadro de 2010, o Sul ultrapassou o Sudeste, que liderava a presença de municípios entre os 500 municípios com maior PIB per capita do país.

 

ENTRE OS 500 MAIORES

Já o quadro dos 500 municípios com menor PIB per capita do país mudou pouco entre 2010 e 2017. Nos dois casos, cerca de 90% dos municípios com menor PIB por pessoa estavam localizados no Nordeste. Não havia nenhum no Sul ou no Centro-Oeste.

 

O restante estava distribuído no Norte e no Sudeste – sendo que todos os municípios do Sudeste entre os 500 com menor PIB per capita eram de Minas Gerais, tanto em 2010 quanto em 2017. Esses municípios estão majoritariamente localizados no norte de Minas Gerais e na região do Jequitinhonha.

 

Fonte: NexoJornal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *